«Deus quer, o homem sonha, a obra nasce.»Fernando Pessoa
Domingo, 29 de Janeiro de 2006
«Olhar o rio...»


"Olhar o rio que é de tempo e água

E recordar que o tempo é outro rio,

Saber que nos perdemos como o rio

E que os rostos passam como a água."


José Luis Borges, Cadernos de Poesia

(Está a nevar lá fora...é a primeira vez que vejo nevar em Lisboa.
É um espectáculo lindo,"raro e incomum"!)



publicado por Bia às 16:07
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|

Sexta-feira, 20 de Janeiro de 2006
«Lisboa perto e longe»



Lisboa chora dentro de Lisboa

Lisboa tem palácios sentinelas

E fecham-se janelas quando voa

nas praças de Lisboa -- branca e rota

a blusa do povo -- essa gaivota.


Lisboa tem casernas catedrais
museus cadeias donos velhos
palavras de joelhos tribunais.
Parada sobre o cais olhando as águas
Lisboa é triste assim cheia de mágoas.


Lisboa tem o sol crucificado
nas armas que em Lisboa estão voltadas
contra as mãos desarmadas -- povo armado
de vento revoltado violas astros
-- meu povo que ninguém verá de rastos.


Lisboa tem o Tejo tem veleiros
e dentro das mãos navios prisioneiros
ai olhos marinheiros -- mar aberto
-- com Lisboa tão longe em Lisboa tão perto.


Lisboa é a palavra dolorosa
Lisboa são seis letras proibidas
seis gaivotas feridas rosa a rosa
Lisboa a desditosa desfolhada
palavra por palavra espada a espada.


Lisboa tem um cravo em cada mão
tem camisas que abril desabotoa
mas em maio Lisboa é uma canção
onde há versos que são cravos vermelhos
Lisboa que ninguém verá de joelhos.


Lisboa a desditosa a violada
a exilada dentro de Lisboa.

E há um braço que voa há uma espada.
E há uma madrugada azul e triste
Lisboa que não morre e que resiste.


Este poema foi escrito por Manuel Alegre




publicado por Bia às 18:43
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|

Segunda-feira, 9 de Janeiro de 2006
«Cidade,rumor...»

(in internet)



Cidade,rumor e vaivém sem paz nas ruas,

Ó vida suja,hostil,inutilmente gasta,

Saber que existe o mar e as praias nuas,

Montanhas sem nome e planícies mais vastas

Que o mais vasto desejo,

E eu estou aqui fechada e apenas vejo

Os muros e as paredes, e não vejo
Nem o crescer do mar, nem o mudar das luas.


Saber que tomas em ti a minha vida

E que arrastas pela sombra das paredes
A minha alma que fora prometida
Às ondas brancas e às florestas verdes.


Sophia de Mello B.Andresen,Poesia


publicado por Bia às 18:59
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Sexta-feira, 6 de Janeiro de 2006
Mar sonoro


(in internet)

Mar sonoro, mar sem fundo mar sem fim.

A tua beleza aumenta quando estamos sós.

E tão fundo intimamente a tua voz

Segue o mais secreto bailar do meu sonho

Que momentos há em que suponho

Seres um milagre criado para mim.


Sophia de Mello B. Andresen, Mar



publicado por Bia às 19:36
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Domingo, 1 de Janeiro de 2006
«A um amigo especial que partiu...»


Amigo é...


Amigo é ...díficil explicar, é especial

Como uma flor sem espinhos.

Amigo é verdadeiro sorriso

Num coração acolhedor.

Amigo é corajoso

E nele podemos confiar.

Amigo é...difícil explicar

E é difícil de esquecer!


Dedico este momento a um amigo muito especial que partiu num dia um de Janeiro.



publicado por Bia às 18:59
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|






http://twitter.com/#!/BiaBia117
*

«Eu sou uma Menina do Mar...Um dia uma gaivota trouxe-me no bico...»
Sophia de Mello Breyner Andresen

--

*


--


mais sobre mim
Abril 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


...

A minha cidade é Lisboa

Torre de Belém

--


Van Gogh

--


Van Gogh

--


Charles Burton Barber

--

--


Claude Thébergue

--

--

ARTIGOS

abril

Bons amigos...

Boas Festas

De volta ....

...

Feliz Ano Novo

Curta meditação sobre o N...

Não é a aparência...

Carnaval

Livros...

FAVORITOS

«Auto Retrato de Van Gogh...

ARQUIVOS

Abril 2017

Dezembro 2015

Agosto 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Agosto 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Março 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Abril 2005

O Gatinho «Poli»

--

«O tempo foge e a eternidade espera.»
João Paulo II


in Olhares
Links
Abrupto

"m'espanto às vezes, outras m'avergonho..."

Sá de Miranda;
A Kind of Magic
;
A luz do voo
;
Auxiliar de Memória;
Canto da Conchita;
Dicas;
Ecos do Tempo;
Errâncias
;
Hyperborea;
Segunda Vida
;
Quem tem boca vai a Roma;

Palavras ao vento;

Menina Marota

;

Navegar é preciso;

Gato Floquinho
;
e outros...

VISITAS

A partir de 19 de Outubro 2007

blogs SAPO
subscrever feeds