«Deus quer, o homem sonha, a obra nasce.»Fernando Pessoa
Quarta-feira, 31 de Agosto de 2005
«Pedra Filosofal»


("Arte antiga" - "site"do Museu do Louvre)


"Eles não sabem que o sonho
é uma constante da vida
tão concreta e defenida
como outra coisa qualquer
como esta pedra cinzenta
em que me sento e descanso,
como este ribeiro manso
em serenos sobressaltos,
como estes pinheiros altos
que em verde e oiro se agitam,
como estas aves que gritam
em bebedeiras de azul.

Eles não sabem que o sonho
é vinho, é espuma,é fermento,
bichinho álacre e sedento,
de focinho pontiagudo
que foça através de tudo
num perpétuo movimento.

Eles não sabem que o sonho
é tela,é cor,é pincel
arco, em ogiva,vitral,
pináculo de catedral,
contraponto,sinfonia,
máscara grega,magia,
que é retorta de alquimista,
mapa do mundo distante,
rosa-dos-ventos, Infante,
caravela quinhentista,
que é cabo da Boa Esperança,
ouro,canela,marfim,
florete de espadachim,
bastidor,passo de dança,
Columbina e Alerquim,
passarola voadora,
pára-raios,locomotiva,
barco de proa festiva,
alto-forno,geradora,
cisão do átomo, radar,
ultra-som,televisão,
desembarque em foguetão
na superfície lunar.

Eles não sabem,nem sonham,
que o sonho comanda a vida.
Que sempre que o homem sonha
o mundo pula e avança
como bola colorida
entre as mãos de uma criança."

Este poema foi escrito por António Gedeão

(A "Pedra Filosofal" é o símbolo de qualquer coisa capaz de transformar o que existe em algo precioso.Na minha opinião, as pessoas continuam a ter a necessidade de sonhar e de acreditar "que o sonho comanda a vida".)



publicado por Bia às 23:34
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|

Terça-feira, 30 de Agosto de 2005
«Pequeno poema»

No dia em que nasci...

O céu continuou azul,
O mar calmo não embraveceu.

A manhã linda e serena
Não se comoveu.

O Sol continuou quente e brilhante,
Não escureceu.

Os navios não naufragaram
Com cofres carregados de oiro.

Incêndios? Catrástrofes?
Isso não aconteceu.

Uma gaivota sobrevoou a praia,
Trazia algo no bico...

Minha mãe aconchegou-me
E feliz,agradeceu.

Meu pai contente
Sorriu.

Nesse dia de Verão
A novidade fui eu!

Este poema foi escrito por Bia



publicado por Bia às 17:43
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Quinta-feira, 25 de Agosto de 2005
«Amigo é...»

Mal nos conhecemos
Inaugurámos a palavra amigo!

Amigo é um sorriso
De boca em boca,
Um olhar bem limpo,

Uma casa, mesmo modesta, que se oferece.
Um coração pronto a pulsar
Na nossa mão!

Amigo (recordam-se, vocês aí,
Escrupulosos detritos?)
Amigo é o contrário de inimigo!

Amigo é o erro corrigido,
Não o erro perseguido,explorado.
É a verdade partilhada, praticada.

Amigo é a solidão derrotada!

Amigo é uma grande tarefa,
Um trabalho sem fim,
Um espaço útil, um tempo fértil,
Amigo vai ser, é já uma grande festa!

Este poema foi escrito por Alexandre O'Neil

Dedico este poema ao meu pai,hoje seria o dia do seu aniversário.



publicado por Bia às 23:12
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Sábado, 20 de Agosto de 2005
«Praia de Santa Cruz»

A minha praia preferida!



publicado por Bia às 15:39
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

«O Principezinho»

"(...)
A raposa calou-se e ficou a olhar durante muito tempo para o principezinho.
- Por favor...Prende-me a ti! - acabou finalmente por dizer.
- Eu bem gostava - respondeu o principezinho - mas não tenho muito tempo.Tenho amigos para descobrir e uma data de coisas para conhecer...
- Só conhecemos as coisas que prendemos a nós - disse a raposa. - Os homens, agora, já não têm tempo para conhecer nada.Compram as coisas feitas nos vendedores.Mas como não há vendedores de amigos, os homens já não têm amigos.Se queres um amigo, prende-me a ti!
- E o que é preciso fazer? - perguntou o principezinho?
- É preciso ter muita paciência.Primeiro, sentas-te um bocadinho afastado de mim,assim, em cima da relva.Eu olho para ti pelo canto do olho e tu não dizes nada.A linguagem é fonte de mal-entendidos.Mas todos os dias te podes sentar um bocadinho mais perto...
(...)
E foi assim que o principezinho prendeu a si a raposa.E quando chegou a hora da despedida:
- Ai! - exclamou a raposa - Ai que me vou pôr a chorar...
- A culpa é tua - disse o principezinho. - Eu bem não queria que te acontecesse mal nenhum, mas tu quiseste que eu te prendesse a mim...
(...)
E então voltou para o pé da raposa e disse:
- Adeus...
- Adeus - disse a raposa. - Vou-te contar o tal segredo.É muito simples: só se vê com o coração.O essencial é invisivel para os olhos...
- O essencial é invisivel para os olhos - repetiu o principezinho, para nunca mais se esquecer.(...)"

[Error: Irreparable invalid markup ('<font color"#000066">') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<img src="http://meninadomar.com.sapo.pt/Digitalizar0003.jpg" width="470"><br><font color="#0000FF"> "(...)<br>A raposa calou-se e ficou a olhar durante muito tempo para o principezinho.<br> - Por favor...Prende-me a ti! - acabou finalmente por dizer.<br>- Eu bem gostava - respondeu o principezinho - mas não tenho muito tempo.Tenho amigos para descobrir e uma data de coisas para conhecer...<br> - Só conhecemos as coisas que prendemos a nós - disse a raposa. - Os homens, agora, já não têm tempo para conhecer nada.Compram as coisas feitas nos vendedores.Mas como não há vendedores de amigos, os homens já não têm amigos.Se queres um amigo, prende-me a ti!<br> - E o que é preciso fazer? - perguntou o principezinho?<br> - É preciso ter muita paciência.Primeiro, sentas-te um bocadinho afastado de mim,assim, em cima da relva.Eu olho para ti pelo canto do olho e tu não dizes nada.A linguagem é fonte de mal-entendidos.Mas todos os dias te podes sentar um bocadinho mais perto...<br>(...)<br>E foi assim que o principezinho prendeu a si a raposa.E quando chegou a hora da despedida:<br> - Ai! - exclamou a raposa - Ai que me vou pôr a chorar...<br> - A culpa é tua - disse o principezinho. - Eu bem não queria que te acontecesse mal nenhum, mas tu quiseste que eu te prendesse a mim...<br>(...)<br>E então voltou para o pé da raposa e disse:<br> - Adeus...<br>- Adeus - disse a raposa. - Vou-te contar o tal segredo.É muito simples: só se vê com o coração.O essencial é invisivel para os olhos...<br> - O essencial é invisivel para os olhos - repetiu o principezinho, para nunca mais se esquecer.(...)"</font><p><font color"#000066"> Antoine de Saint -Exupéry,</font><font color="#00FF00"><u>O Principezinho


publicado por Bia às 15:17
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sexta-feira, 5 de Agosto de 2005
«À procura de amigos...»

(ilustração do autor)
"(...)
Foi então que apareceu a raposa.
- Olá,bom dia!-disse a raposa.
- Olá,bom dia!- respondeu delicadamente o principezinho que se voltou, mas não viu ninguém.
- Estou aqui - disse a voz - debaixo da macieira.
- Quem és tu? - perguntou o principezinho. - És bem bonita...
- Sou uma raposa - disse a raposa.
- Anda brincar comigo - pediu-lhe o principezinho. - Estou tão triste...
-Não posso brincar contigo - disse a raposa. - Não estou presa...
- Ah! Então, desculpa! - disse o principezinho.
Mas pôs-se a pensar, a pensar, e acabou por perguntar:
- O que é que "estar preso" quer dizer?
- Vê-se logo que não és de cá - disse a raposa. - De que é que andas à procura?
- Ando à procura dos homens - disse o principezinho. - O que é que "estar preso" quer dizer?
- Os homens têm espingardas e passam o tempo a caçar - disse a raposa. - É uma grande maçada! E também fazem criação de galinhas! Aliás, na miha opinião é a única coisa interessante que têm.Andas à procura de galinhas?
- Não - disse o principezinho. - Ando à procura de amigos.O que é que "estar preso" quer dizer?
- É uma coisa que toda a gente se esqueceu - disse a raposa. -Quer dizer que se está ligado a alguém, que se criaram laços com alguém.
-Laços?
Sim, laços - disse a raposa. - Ora vê: por enquanto, para mim, tu não és senão um rapazinho perfeitamente igual a outros cem mil rapazinhos.E eu não preciso de ti.E tu também não precisas de mim .Por enquanto, para ti, eu não sou senão uma raposa igual a outras cem mil raposas.Mas, se tu me prenderes a ti, passamos a precisar um do outro.Passas a ser único no mundo para mim.E, para ti, eu também passo a ser única no mundo...
- Parece-me que estou a perceber - disse o principezinho. - Sabes há uma certa flor... tenho a impressão que estou preso a ela...
(...)"

Antoine de Saint-Exupéry, O Principezinho



publicado por Bia às 15:37
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Quinta-feira, 4 de Agosto de 2005
«Ou isto ou aquilo»
Ou se tem chuva e não se tem sol
ou se tem sol e não se tem chuva!
Ou se calça a luva e não se põe o anel,
ou se põe o anel e não se calça a luva!
Quem sob nos ares não fica no chão,
quem fica no chão não sobe nos ares.
É uma grande pena que não se possa
estar ao mesmo tempo em dois lugares!
Ou guardo o dinheiro e não compro o doce
Ou compro o doce e gasto o dinheiro.
Ou isto ou aquilo;ou isto ou aquilo
e vivo escolhendo o dia inteiro!
Não sei se brinco,não sei se estudo,
se saio correndo ou fico tranquilo.
Mas ainda não consegui entender ainda
qual é melhor:se isto ou aquilo.

Poema escrito por Cecília Meireles (poetisa brasileira)



publicado por Bia às 22:56
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 3 de Agosto de 2005
«Mas o que é a saudade?»


(in sapo)

"(...)

No dia seguinte,logo de manhã, o rapaz foi ao seu jardim e colheu uma rosa encarnada muito perfumada.Foi para a praia e procurou o lugar da véspera.

-Bom dia, bom dia, bom dia - disseram a Menina, o polvo, o caranguejo e o peixe.

-Bom dia - disse o rapaz.E ajoelhou-se na água, em frente da Menina do Mar.

-Trago-te aqui uma flor da terra -disse; chama-se rosa.

É linda,é linda- disse a Menina do Mar,dando palmas de alegria e correndo e saltando em roda da rosa.

-Respira o seu cheiro para veres como é perfumada.

A Menina pôs a cabeça dentro do cálice da rosa e respirou longamente.

Depois levantou a cabeça e disse suspirando:

-É um perfume maravilhoso.No mar não há perfume assim.Mas estou tonta e um bocadinho triste.As coisas da terra são esquesitas.São diferentes das coisas do mar.No mar há monstros e perigos, mas as coisas bonitas são alegres.Na terra há tristeza dentro das coisas bonitas.

-Isso é por causa da saudade- disse o rapaz.

-Mas o que é a saudade?- perguntou a Menina do Mar.
-A saudade é a tristeza que fica em nós quando as coisas de que gostamos se vão embora.(...)"

Sophia de Mello Breyner Andresen,A menina do Mar



publicado por Bia às 12:54
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Terça-feira, 2 de Agosto de 2005
«Quadrado dos Atoleiros»

Há sinos a tocar dentro das letras
eis as vogais vestidas de combate
montadas a cavalo com seus elmos e pendões.
Deu sinal a trombete do O
alinham-se as consoantes
armadas com seus FF e seus SS
suas flechas e suas setas.
Não tenho outra cavalaria
Não tenho outros infantes.
Eis as sílabas mais puras
as mais cheias de terra
as mais batidas pelo mar.
Com elas levantarei Lisboa
atacarei a cidade pelo campo
entrarei nos castelos
varrerei os códigos.
Eis o exército:
minhas vogais e consoantes


Poema escrito por Manuel Alegre



publicado por Bia às 19:33
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|






http://twitter.com/#!/BiaBia117
*

«Eu sou uma Menina do Mar...Um dia uma gaivota trouxe-me no bico...»
Sophia de Mello Breyner Andresen

--

*


--


mais sobre mim
Abril 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


...

A minha cidade é Lisboa

Torre de Belém

--


Van Gogh

--


Van Gogh

--


Charles Burton Barber

--

--


Claude Thébergue

--

--

ARTIGOS

abril

Bons amigos...

Boas Festas

De volta ....

...

Feliz Ano Novo

Curta meditação sobre o N...

Não é a aparência...

Carnaval

Livros...

FAVORITOS

«Auto Retrato de Van Gogh...

ARQUIVOS

Abril 2017

Dezembro 2015

Agosto 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Agosto 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Março 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Abril 2005

O Gatinho «Poli»

--

«O tempo foge e a eternidade espera.»
João Paulo II


in Olhares
Links
Abrupto

"m'espanto às vezes, outras m'avergonho..."

Sá de Miranda;
A Kind of Magic
;
A luz do voo
;
Auxiliar de Memória;
Canto da Conchita;
Dicas;
Ecos do Tempo;
Errâncias
;
Hyperborea;
Segunda Vida
;
Quem tem boca vai a Roma;

Palavras ao vento;

Menina Marota

;

Navegar é preciso;

Gato Floquinho
;
e outros...

VISITAS

A partir de 19 de Outubro 2007

blogs SAPO
subscrever feeds